sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

[Gordinha's Facts] E a academia, hein?

E a academia vai bem. To gostando. Ainda não estou malhando - e confesso que nem faço questão - mas fato é que as aulinhas são ótimas e eu ando super quebrada. Ainda não peguei o ritmo que eu quero, afinal, festas de fim de ano vão contra os interesses da academia... Eu to indo em algumas aulas, nas que eu mais gosto, mas na semana que vem, é força total. To mesmo querendo ver um resultado bacana, e isso, só eu posso buscar.

Ih, fui seduzida de novo por mais uma oferta de tratamento estético. Não tão barato... nada de promoções do Groupon ou dos genéricos. Fui numa clínica mesmo, passei por uma médica. Muito atenciosa, muito compreensiva. Ela deixou claro que minha barriga não sumiria de uma hora pra outra e que um fato determinante era a alimentação correta e balanceada. Ela me ofereceu um tratamento localizado, de 10 sessões, focadas em uma parte do corpo. Eu até gostei, mas no momento, não vou poder aceitar a oferta. Estou pagando a academia e uns cursos (um pouco mais importante do que o tratamento estético, né??), então, vai ficar pra mais tarde.

E depois de um ano conturbado, cheio de altos e baixos, encerro esse meu curto - mas sincero post - com certa felicidade. Tenho metas. E isso é muito importante. Não são promessas simples de fim de ano, que fazemos quando estamos pulando ondinhas ou comendo uvas mediante simpatias. Não são aquelas promessas loucas, desvairadas, que sabemos que não vamos cumprir. Estou feliz. Estou no caminho certo.

Feliz 2012 para todos! Muita luz, desejos renovados e novas esperanças de uma vida e um mundo melhor.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

[Gordinha's Facts] Tratamento Estético - A Missão

Faz tempo hein... Mas não me descuidei. Ando tentando reduzir minhas porções e sabe que tenho conseguido? Mas domingo passado, por exemplo, foi super difícil. Ficar o fim de semana na casa dos meus pais é certeza de que não haverá dieta alguma. No domingo mesmo, por exemplo, eu estava devorando, com muita vontade, um folheado de peito de peru. Fantástico. Nada diet, mas se pensarmos pelo lado de que é algo assado e que peito de peru não tem gordura, estou no lucro. Além disso, rolou aquele refrigerante. Ok: aqueles. Mas estou bem. Na casa dos meus pais é um lugar onde a culpa não existe no meu vocabulário, onde eu como bem e não fico pensando em como vou perder as calorias que ganhei. Lá, como de tudo com a consciência tranquila.
Mas quando chega a segunda, já é outro dia... Dia de trabalho, dia de tentações... E não vou ceder. Com muita fé!

Ah... Lembra das minhas sessões de estética? Uma merda. Vou tentar relatar a luta aqui. Quando eu comprei, tinha milhões de expectativas. Confesso que já achava que perderia medidas na primeira sessão, como todos dizem. Pensei que as gorduras iriam para o limbo, mas tudo o que eu consegui, foi resultado nenhum. Veja bem... não quero tirar esperanças de quem ainda sonha em fazer um tratamento estético, longe de mim! Vou contar a minha experiência e cada um tira a conclusão que quiser. Mas uma coisa eu peço que seja levado em consideração: comprar tratamento estético nesses sites de compra coletiva É SIM UMA GRANDE FURADA (comprando um pacote barateeeeerrimo, você na verdade vai estar tendo uma idéia do que é o tratamento se você pagar de verdade, fato é que o cupom nada mais é do que uma amostra grátis, as vezes mal dada, do que você pode ter de pagar pelo tratamento full).

Bom... já tinha comprado o tratamento uma vez, mas devido a falta de espaço na agenda da clínica (que vendeu muito mais do que podia tratar e não tinha datas disponíveis antes de março/2012, e eu comprei em setembro/2011) eu pedi reembolso e aguardei uma outra oportunidade, que surgiu! Uma clinica em Copacabana, com data perfeita, ainda em novembro. Fiquei toda prosa. A esperança brotou em mim de uma forma muito particular, comecei a pensar o que disse anteriormente, que minhas gordurinhas iriam para o limbo, que eu notaria uma diferença fantástica logo de prima.
Nossa! Minha primeira sessão: fiz endermo e lipocavitação. Depois, rolou uma massagem manual (que doeu uma enormidade, nunca tinha visto aquilo!) e finalizamos com a manta térmica. Estava louca para chegar em casa e ver algo diferente, perceber uma diferença... e sabe... eu tirei minhas medidas antes de sair de casa!!! Ok. Cheguei. Tirei minha roupa e...DECEPÇÃO!!! Minha barriga estava nitidamente maior e pasmem: tinha umas estrias ROXAS na minha barriga. Fiquei arrasada, um lixo mesmo. Poxa, saí de casa sem estrias, com uma barriga "x" e volto toda estriada, num nível inaceitável e com uma barriga "x+7"??? Brincadeira né...

Dois dias depois, eu teria mais uma sessão e confesso que fiquei na dúvida em ir de novo. Mas fui! E voltei ainda pior... as estrias gritaram na minha barriga. Cheguei a comprar um creme para tentar a conter a situação.
Nas sessões seguintes eu não fui. Deixei passar um tempo, pra tentar dar uma segunda chance, e dei. Voltei à clínica e nada mudou. Não voltei mais. Perdi todas as outras sessões sem remorso. Pensei em mim, no meu corpo e na falta de resultados positivos que obtive. Não fui feliz. Mas aprendi. Fazia tempos que eu queria comprar esse tipo de cupom e pronto! Está testado. Não me arrependo de ter perdido dinheiro, tempo e um pouquinho de saúde. Foi uma lição valiosa e fica também a experiência pra quem quiser tentar!

Mas então... fiz minha matrícula na academia ontem e estou muito feliz!!! Agora é comigo né... Estou muito animada, super confiante... Posto fotos da academia depois!!!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

[Gordinha's Facts] Já Volto!!!

Ui!!! Já fiquei um tempo sem aparecer neh... e isso definitivamente não é para acontecer. Ando meio enrolada no trabalho e fato é que, quando meu namorado volta de viagem, eu fico meio distante mesmo. Tudo para dar atenção a ele.


Mas não desanimei, ao menos não por completo. Tenho muitas coisas para colocar aqui. Claro que umas são super legais e outras, nem tanto. Mais tarde eu volto, JUROOO

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Sumiço

Uau! Quanto tempo eu não venho aqui? Se fosse uma casa pra eu dar faxina, eu estaria ferrada. Imagina tirar o pó de tudo, organizar... levaria semanas. Mas fato é que eu estava envolvida em outras mil coisas. Sabe que eu tenho outro blog, ne? Então... ando trabalhando muito nele. É um blog que eu relato minhas tentativas em emagrecer. Estou me divertindo com ele e eu sempre penso que é super possível fundir os dois blogs, mas eu acho que o da dieta ficaria meio perdido aqui e por fim, sempre acho melhor manter os dois em separado.
Quanto a emagrecer? De forma reduzida? Ta difícil, viu? Eu me boicoto sempre nas dietas, nas regras de tomar os remédios... mas minhas intenções sao sempre as melhores possíveis: eu ando com os remédios na bolsa, estou sempre com a dieta na carteira... mas quem disse que eu consulto? Nunca! Uma pena... e o fato é que eu sou culpada pelos meus atos. Claro que reclamo demais quando a balança me mostra o resultado dos deslizes, mas eu to trabalhando nisso.

Se eu ando feliz? Caramba! Em muitos aspectos sim... já contei que mudei de faculdade? E isso contribuiu demais pra minha felicidade. Ter o Marcus do meu lado no momento da minha aprovação no vestibular foi muito bacana. Ele me apoiou a todo momento, ele via que eu estava infeliz na UFRJ. Ninguém me condenou - ao menos não falaram na minha cara - quanto a minha decisão. Estou mais feliz, é o que importa.

Meus amigos? Vão bem... já contei que estou super as boas com o Daniel??? É, aquele mesmo... meu ex-namorado... era questão de tempo voltarmos a nos falar e tem sido muito bacana. A família dele me recebendo super bem, como sempre... a namorada dele uma fofa comigo...

No trabalho? Nem quero falar... Já estive mais feliz nesse meu trabalho e hoje, sao as pessoas, sem dúvida, que me colocam pra cima, que me dão motivos para passar mais um dia. Eu sempre penso que o projeto em si é muito bom, daria muitas oportunidades de conhecimento e crescimento... mas a empresa e eu pensamos diferente, então... Eu até vou adquirindo conhecimento (menos do que gostaria) e confesso não ter perspectivas quanto a um grandioso futuro no local. Mas eu fico. Sei que virão coisas melhores, que um futuro grandioso me aguarda... por tudo que eu faço ao longo da vida, pelo caminho que traço. Não curto muito ficar falando de coisas negativas... vou encerrar o assunto dizendo que no fim, vai dar tudo certo.

Mas eu to vivendo... To viva! Viu tentar postar aqui e no outro blog de forma constante. No outro já estou postando sempre, quase todo dia... E estou curtindo. Amanhã é dia de novidades no outro blog... Vai lá!

domingo, 13 de novembro de 2011

[Gordinha's Facts] Pecados e Redenção

Eu pequei hoje. E feio.Tive um almoço na casa de uma amiga... Um almoço de respeito, daqueles que você nem sabe qual combinação fazer no prato, mas sabe que quer experimentar um pouco de tudo. Eu comi bem. Tinha torta de cebola (que não tem gosto de cebola - feita pela minha mãe), pernil assado, maionese (divina), farofa caprichada, arroz, feijão e etc, etc, etc. Comi bem demais! Sem culpa! Não gosto de comer com culpa, não consigo. Se me sentir culpada, nem como. Se for pra meter o pé na jaca, que seja de forma consciente, que você saiba o que está fazendo e que tenha pique pra correr atrás do prejuízo. E eu sei que vou correr! 


Altas coisas para contar:Marquei as sessões de tratamento estético! Já começo na quinta-feira. Estou super ansiosa. Rezando pra dar certo! Achei que fosse ficar meses fazendo coisas, mas vai ser até rápido! O bom disso tudo é que vai dar um up na minha auto estima. Cada coisa que eu tento vestir, é um sofrimento diferente. Bom, isso vai passar. Fora as sessões de estética... Estou usando um creme da Nívea (bye bye celulite) e estou adorando. Não precisa fazer massagem vigorosa nem nada, é só passar nas partes que deseja tratar e pronto. Passo uma vez por dia. O creme é de alta absorção, meio aquoso, então não mela, não brilha... Estou curtindo. Na embalagem, promete resultados visíveis em até duas semanas de uso. Ele tanto reduz a aparência de casca de laranja quanto volume. Veremos.


Fui ver uma academia para eu freqüentar... Eu não gosto de malhar, prefiro aquelas aulinhas de jump, danças, step... Mas a academia que eu gostei, com o horário perfeito, só tem MALHAÇÃO (e spinning). Poxa... Posso até cogitar a possibilidade... Mas vai ser com muita muita muita força, afinal, estou bolando um programa certinho com a luta pela manhã. Dá pra fazer, é bastante pagável. A luta é uma incógnita. Tem uma academia na Tijuca, mega equipada, que tem lutas literalmente o dia todo. A parte ruim é a mensalidade, super cara, se comparado com a minha outra opção, uma academia mais simples, na Lapa, mas com um professor fodão. 

Fato: os horários da academia da Tijuca sao perfeitos, mas não moro perto, teria que pegar ônibus, assim como também teria que pegar pra ir pra Lapa. No fim das contas, financeiramente falando, mesmo com os horários melhores, acredito que ficarei na Lapa. E vai ser isso: muita luta e quem sabe, uma malhação. 
Vou ver se uma amiguinha quer fazer comigo. 

Então hoje a gente fica combinado assim: nada de exageros para amanhã. Posso contar com você? E a pesagem vem aí... To nervosa!




[Gordinha's Facts] Concurso de Blogs!! Tô Dentro!!

Bom dia!
Animadíssima com as novidades. Entrei num concurso entre blogs, onde o objetivo é, ao longo de um tempo pré determinado, perder peso e reduzir o IMC. Quem conseguir alcançar o melhor resultado, ganha algumas coisas incríveis, como tratamentos estéticos, spa, créditos no site do CLICKON... meu blog está participando!

É um incentivo e tanto pra perder peso hein... Mas eu acho que posso ganhar e não levar (ih... Olha eu já cantando vitória antes do tempo...), já que a clínica é lá em SP. Mas não tô nem ai. O que importa é participar e pegar o gás do concurso pra dar um "down" no ponteiro da balança.

A primeira fase foi concluída. Consistia em o blog da participante ter ao menos dois meses de vida, e nessa fase eu fui aprovada. Agora tem a segunda - e tensa - fase: pesagem com filmagem! Farei isso hoje! Será tenso... Quero saber quem vai me ajudar a filmar... E depois tem de fazer pesagens constantes... Para as pesagens, a balança tem de ser a mesma sempre e por isso, vou comprar uma balança dessas de banheiro.

Estou animada... Vamos ver como vai ser.
Começo hard na segunda-feira, fazendo as alimentações certinhas, colocando mais frutas, sucos, água... E vou tentar encaixar no meu horário uma atividade física constante! Malhar não dá, não consigo. Acho chato pra caramba... Prefiro luta, que envolve um exercício mais completo, ou natação... Estou estudando as propostas. Depois coloco todas as conclusões aqui...

Bom, deixe-me ir por enquanto. Tirei essa manhã/tarde pra fazer minhas unhas, que estão um terror... Porque posso ser até gordinha, mas não posso me deixar ir pelo ralo... Tenho se ser fashion!!! Hahahahahahaha...


Beijos e Bom Domingo!!

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

[Gordinha's Facts] O Que Teve Pra Hoje

Hoje eu tentei ficar na dieta. Na verdade, não uma dieta mega master certinha... Tentei comer porções menores e quem sabe, umas frutas. Bom, meu almoço foi super básico e tranquilo, comi frutas ao longo do dia, bebi muita água (anda fazendo um calor dos invernos e não é verão ainda!)... Mas no fim do dia, saí da linha: comi algumas batatinhas fritas e bebi, não de forma consecutiva dois copos de refrigerante.Eu tenho de pensar nos deslizes, afinal, se eu encarar que "foram só dois copos..." vou acabar aceitando isso e todo dia vou beber dois copos, pois vou continuar achando que não é nada de mais. Moderação é a chave.

Além desse deslize da batatinha, fiquei arrasada ontem à noite e até tive uns pesadelos. Ontem, descobri que tem cinco estrias na minha barriga flácida. Tenho considerável sorte por ser morena e não estar em tanta evidência. Mas bastou eu perceber para ficar arrasada. Comecei a correr em busca de coisas que pudessem ajudar a minimizar a aparência. Ok, não está tão ruim, mas vai que piora? Claro que eu não quero que piore... mas se a minha pele da região abdominal (arrasei agora, hein...) continuar esticando, certamente terei mais estrias para contar e mais cabelos a perder por culpa da preocupação.

Ih... Acabei de reparar que estou lamentando, lamentando, lamentando e nada estou fazendo. Não, não... Não é bem assim. Estou fazendo coisas para mudar isso.

Comprei um massageador! Já viu no comercial da polishop? Um que "faz massagens vigorosas para quebrar as células de gordura e bla bla bla". Não emagrece - lógico - mas vai ajudar (I hope) a quebras das mega células de gordura que moram na minha barriga. Dizem que isso ajuda na hora de fazer um tratamento estético. E essa é outra novidade do dia.Comprei um tratamento estético! São 50 sessões das mais novas técnicas para quem busca uma melhora de saúde e da aparência. 

Sempre ouvi dizer que esses tratamentos comprados em sites de compra coletiva, onde você economiza muitos cobres, não dão resultado, já que são feitos de forma corrida, somente para fazer o paciente entender o que é o tratamento e quem sabe, comprar um pacote full, para fazer o tratamento direitinho e ver algum resultado. Bom, mesmo sabendo disso, resolvi arriscar. Poxa, será que meu corpo não vai sentir nenhum efeito das cinqüenta sessões estéticas que tenho pra fazer? Será que vou permanecer com a mesma circunferência do início do tratamento? Me recuso a acreditar. Vou marcar as sessões e seja o que deus quiser.

E ainda tem mais (esse dia foi longo): tentei achar um novo endocrinologista. Depois de tudo o que coloquei ontem e da descoberta das estrias na minha barriga, não posso mais me dar ao luxo de deixar de usar meu plano de saúde. Procurei muito. Liguei para vários. Mas eu acho (só acho) que a proximidade do verão faz as pessoas se preocuparem. Só fazendo um adendo, eu não me encaixo nesse clube, pois não é para exibir minha silhueta na praia que eu busco tudo isso e sim, em prol da minha saúde. Eu detesto sol, detesto calor... Bom, voltando ao médicos... Liguei para muitos, e sabe quando, em média, tinha consulta disponível? Somente a partir de fevereiro... Não queria esperar tanto... Sabe aquele médico que não curti muito? Acabei marcando, já que a agenda dele tinha espaço para dezembro. Veremos como será a próxima consulta.

Ufaaaaa... O dia foi longo! Muitas coisas, né? Espero ter mais novidades pra contar! Boas novidades...

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

[Gordinha's Facts] Só Mais um Teste

Bom, estou testando um editor de blog do próprio Blogger. 
Será que funciona? Espero que sim... Não quero ter que ficar procurando um editor gratuito e perfeito... Veremos.
Beijos!

[Gordinha's Facts] Um Alô Para Todos

Pessoal... não sei se é de conhecimento público, mas eu tenho um Ipad. Uma mão na roda para tudo, inclusive para postar em quase qualquer lugar. Minha idéia sempre foi essa: ter o Ipad para deixar meus blogs sempre atualizados.
Mas o mundo não é perfeito, então eu quase não atualizei meus blogs. Mas eu quero muito que isso mude!

Bom, só dei uma passadinha aqui para me desculpar pela falta de acentuação que pode ocorrer por aqui. O Ipad não entende muito bem a questão de a língua portuguesa ter acentuação. E não é só isso: como não posso postar no blog direto, tenho de usar um editor de blog, que tem a função de correção ortográfica, mas em inglês! Então já viu né? Ninguém corrige nada!

Bom... e isso! Me desculpem, ta?

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

[Gordinha's Facts] Keep Going

Então... A vida continua, mas e a dieta? Foi totalmente pro saco. Não consigo resistir a uma guloseima! O mais engraçado, é que não me perco para os doces, mas já me perdi um dia - e me achei. Hoje, até como um docinho, mas de forma muito moderada e sou mais ligada nos petiscos salgados.

Dizem que o que afunda uma dieta é a má alimentação e aqueles belisquetes ao longo do dia. Super concordo. Eu mesma, como super mal. Tomo um café da manhã super limitado, pq não tenho vontade de comer pela manhã e meu dia começa corrido. Por volta de umas duas da tarde é que eu almoço. Nada de muita comida, normal. Não lancho, não janto. Bebo um copo de leite para dormir ou um copo de suco e durmo.

Achava que, comendo pouco, estaria salva do efeito de engordar. Mal sabia eu, que estava entrando pro "clube do engorda". Meu metabolismo é super lento, pq meu corpo se acostumou com pouca comida e tinha que gerenciar essa "pouca comida" para obter energia.
Fiquei sabendo de tudo isso indo ao médico! Sim, fui ao médico! Não posso ficar presa às dietas de revista! Lembra o que eu disse desse tipo de dieta no post passado? Então! São dietas feitas para enganar algumas pessoas, dar falsas esperanças... Com o médico, tentei me comprometer a comer, de forma moderada, mais vezes por dia. Além dos conselhos e das explicações, o médico me passou um exame (uma ultra sonografia do abdômen, pra saber o que estava acontecendo).

Então... Repararam no verbo "tentar"? Então, tentei, mas não fui adiante. Eu tentei colocar mais refeições no meu dia, mas com a correria, nunca consigo comer o que eu realmente quero. Me deram opções de frutas, barrinha de cereal... Mas eu enjôo rápido das coisas e foi o que aconteceu. Acabava preferindo não comer nada. Deixava passar o tempo, almoçava e ficava de boa. Eu me boicotava sem querer. E o resultado do exame? Tenho vergonha, mas direi: não sei. Eu fiz o exame e NÃO FUI BUSCAR! E já se passou um tempo, então a vergonha de ir buscar o exame é muito maior.
Sabe... Pensei muito sobre o meu médico: não gostei dele. Ele conversou comigo, foi ótimo na primeira consulta... Mas e a dieta? Nadica de nada. To indo pra outro! Vou marcar a consulta e ver se vai dar certo.

Mas podem me perguntar sobre aquela dieta, daquela super médica bacana que meu namorado tanto gostou. Poxa, a dieta dela é ótima, toda balanceada, muito boa mesmo, mas não é feita para quem trabalha fora. E olha que eu tentei! Por isso bateu um desânimo quando percebi que os restaurantes ao redor do meu trabalho não contribuíam para a minha dieta perfeita.

Mas nem só de lamúrias vive a mulher não é? Tenho de voltar com o mesmo gás do início do blog! Amanhã eu conto o que eu ando fazendo para dar um pontapé na preguiça. A dieta tem de voltar, isso é um fato. E ela vai! Mas de forma menos radical, nada de revistas que prometem o corpo que você sabe que não vai alcançar (sem pessimismo, meninas, mas a verdade que eu encaro é que nem toda mulher nasceu para vestir 36 e que podemos ser sim, magras e com tudo em cima, vestido manequim 40. O que o diga a Beyoncé!). Não prometo que abandonarei toooodas as minhas revistas, mas algumas ficarão de lado. Vou tentar seguir com a dieta da Dra. que eu fui no início do blog, até eu me acertar com o meu próprio médico. Vamos?

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

[Gordinha's Facts] Volta... Volta???

Olá! Ando sumida né... abandonei (parcialmente) o blog e confesso: ando deslizando muito na minha dieta, que nem sei existe mais. Ouço umas trocentas vezes na semana minha mãe dizer que eu tenho que fazer dieta... pior é ela cismar que eu só posso comer frango grelhado. Fiz o desafio pra ela, de comer o tal "frango grelhado" todos os dias, para saber se ela aguentaria. Antes de começar, ela declinou a proposta. Ela mesma admitiu que é difícil começar e manter uma dieta...

Bom, mas não queria falar das derrotas né... estou de volta, estou querendo mesmo me ater a um regime e vou começar com um leve, desses de revista. Dura uma semana. Promete maravilhas, diz que vc perde medidas aqui e ali... só em lugares estratégicos... Vou tentar. O máximo que pode acontecer é eu permanecer com os quilos que estou agora. Não ficarei chateada, ao menos não muito, afinal, estou plenamente consciente de que estou pegando uma dieta de uma revista que só vende dietas!!! Algumas são do tipo engana trouxas, colocam mil coisas, prometem "n" resultados... e são para isso que servem, para dar esperanças de resultados. Não posso culpar ninguém, só a mim mesma. 
É aguardar pra ver né... tentar fazer o máximo... 

Mas hoje, não quero falar de dietas (mas o blog é de dieta, da MINHA DIETA!!! Sobre o que eu falarei???) e sim, da auto-escola. Sim, estou em processo para tirar a minha habilitação. As aulas teóricas foram moleza... agora já estou nas práticas e confesso que tenho uma certa dificuldade. Nunca dirigi nada na minha vida... meu primeiro contato foi agora e não tem sido um total fracasso. Meu carro morreu algumas vezes, eu estico as marchas e não freio de forma suave. Sabe aquela mega freada, como motorista de ônibus faz, pois é, my style.
Tive a minha sétima aula hoje e não foi uma das piores. Ainda tenho muita coisa para melhorar, mas no geral, estou indo. Estou com a intenção de colocar aqui, o meu progresso com o que mais me incomoda nas aulas: o momento quando meu carro morre. Fico LOKA quando isso acontece e fico muito nervosa para sair com o carro depois. Acabo errando um monte de coisas que eu sei fazer, por culpa desse "detalhe".
Nas três primeiras aulas, não andei muito. Tive muitos conceitos, coisas simples e tudo o mais. Na quarta, o negócio começou a ficar tenso e eu andei bastaaaaante. Foi aí que comecei a anotar quantas vezes o carro morria. 

Na quarta aula: morreu 4x
Na quinta aula: morreu 2x
Na sexta aula: morreu 1x
Na sétima aula: morreu 1x

Mas caracas, não pode morrer nenhuma!! Vou treinar mais... vamos ver na oitava aula...

Ok, falei da auto-escola... mas não vou deixar de falar da dieta não!!! Segunda eu começo... e posso postar aqui qual vai ser... quem sabe você se anima e faz também???

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Oi, er... eu sou uma shopaholic...

Cruzes! SHOPAHOLIC?!?!? O que seria isso?
Então... é uma palavra muito utilizada no mundinho das pessoas que são viciadas em compras e esse é mesmo o seu significado. Tenho lido por aí muitas coisas sobre o assunto, mas uma coisa é certa existem shopaholics e SHOPAHOLICS.
Conheço pessoas que compram pelo simples prazer de comprar, de não conseguir sair de uma loja sem carregar uma bolsinha, de comprar para distrair, para passar o tempo. Compram o que não vão usar, compram produtos que não cumprem o que prometem, compram de modo compulsivo, a qualquer preço. Isso é um problema. Costumo dizer que essas pessoas não possuem problemas com dinheiro e um cartão de crédito sem limites, pois se tivessem fatura para pagar no final do mês e "muito mês sobrando no dinheiro" certamente não teriam esse costume. Não compartilho com essa prática, na minha cabeça, comprar para não usar não existe, não tem significado. Essa pessoa tem problemas.
Não é o meu caso (apesar de comprar bastante). Adoro fazer compras, mas tudo o que eu compro, eu uso, nem que seja uma vez, nem que seja para desisitir de usar de vez. Eu compro, eu uso. E não sou dessas que compro a qualquer preço: adoro uma booooa liquidação. Na verdade, muitas (se não todas) peças que comprei nesse mês que acabou de passar, foram de liquidações. Mas mesmo assim, eu me controlo. Não tenho cartão de crédito, tudo é a vista (o que bem ou mal, freia um pouco a compulsão das compras) e tenho mesmo que pensar no meu orçamento. Para se ter uma idéia, fiz ótimos negócios esse ano e tudo o que eu comprei, estou usando sem moderação. Alguns dos ótimos negócios que fiz foram dois Ipods por R$ 150,00 (você não pode sequer imaginar como!! - e são muito caros!) e o Ipad por R$ 1100,00 (que na loja está beirando uns dois mil). Odeio perder bons negócios!
Mas nesse mês de Julho, certamente me superei em compras para simplesmente me agradar. Estava querendo fazer um shopping à tempos, mas sempre pensava no orçamento. Mas andei fazendo algumas (muitas) horas extras que valeram a pena e no início de Julho, recebi uma boa quantia. Vi a oportunidade, sem exagerar. Não planejei nada, deixei por conta do destino colocar lojas em liquidação no meu caminho e não deu outra. Num belo dia em que eu saía da minha pneumologista (estou bem, tá gente?) alguma força oculta me levou até a Mercatto, loja que eu amo. Passei pela porta, vi a vitrine cheia de adesivos de liqui, mas resolvi não entrar. Resolvi dar mais uma caminhada, para pegar ônibus num ponto estratégico e voltar para casa e eis que eu passo em frente a Leader Magazine, também em liqui. Entendi como um sinal e entrei. Vi umas blusinhas interessantes, mas eu estava (e ainda estou) numa vibe muito grande de coletes. Achei uns dois que me agradaram muito, por um preço fantástico, mas ao experimentar os dois, aquele amor, aquele brilho, aquela musiquinha de par romântico da novela das oito só tocou por um e eu o levei sem culpa, por uma bagatela de 25 reais.
Saí mega feliz da loja. E voltei pelo mesmo caminho e sem perceber, lá estava eu, novamente, em frente a Mercatto. Droga! Entrei. Comecei a procurar um vestidinho. Acho muito útil, sempre. Ter vestidos nunca me atrapalhou, muito pelo contrário... mas naquele dia, a loja estava meio carente de vestidos a meu gosto, até que eu vi, pendurado sozinho, num cantinho discreto, um macacão jeans escuro (puxando pro preto) maravilhoso. Nada de macacão estilo funkeira, mas aquele confortável, com bolsos e o busto trabalhado com o próprio jeans de forma muito romântica. Apaixonei. Fui no provador e experimentei. Fiquei mais enlouquecida ainda quando o M deu em mim perfeitamente, mas acabei levando o G devido ao comprimento das pernas. Ele não tinha alças, o que não vi como defeito e o preço estava fabuloso. Me lembro do dia do lançamento dele, quando gostei, mas nem tanto, devido ao preço. Paguei com gosto. E nesse dia, as compras pararam por aí (ainda voltei na Mercatto, num outro dia, para comprar um bolerinho de linha para colocar com um vestidinho TQC no trabalho por 19 reais).
Acho que uns 3 ou 4 dias depois, voltei à Leader para trocar umas blusinhas da minha mãe... pronto. Fui trocar por coisitas para mim. Andava procurando umas blusas bastante longas, interessantes, mas lisas e encontrei. Levei duas. Estava indo fazer a troca, onde eu não teria de dar dinheiro algum a mais, e eis que no caminho, me deparo com uma arara com umas saias na cor chumbo com laço na cintura e botões na frente. Sempre gostei de saias, mas nos outros. Ganhei uma no início do ano da minha mãe, uma saia ultra-romântica, floridinha, com renda na barra de cós alto, muito bonitinha. Hesitei meses em usar, até que eu me dei uma chance. Em casa, vesti com uma blusa lisa linda por dentro da saia e saí. O dia foi passando e eu fiquei bastante incomodada com a blusa para dentro (total falta de costume) e resolvi, num átimo, colocar a blusa por fora da saia. Me senti melhor, mesmo com aquela blusa amassada na parte de baixo. Tenho certeza que ficou esquisito, mas eu fiquei bem mais confortável. Confesso não saber se vou usar a saia de novo. Talvez sim, quando estiver mais magra, mas nunca se sabe. Eu nunca me achei bonita de saia e por isso nunca usei muito (o que o diga o CPII) mas resolvi dar uma chance para aquela. Experimentei, pensei, gostei e levei. Por uma bagatela de 15 reais. Linda. Uma saia. Só não sei quando usarei.
E comprei, num dia desses, uma calça sarouel linda, num tecido que não sei explicar bem, mas ele brilha um pouco. Muito bonita, comprei por ser diferente, e estou louca para ter um evento e estrear...
E os brechós online? Vício total... adoro. Normalmente não compro muito, mas gosto de muitas coisas, mas é aquilo que eu disse: como eu compro tudo a vista, tenho que pesar mesmo a consequência dos meus atos. E eu peso mesmo e normalmente não compro. Mas surgiram dois negócios incríveis. Um deles foi uma bota Via Uno, que costuma ser muito cara (e muito confortável) por meros 40 reais! Eu nem pensei muito. Combinei toda a transação e comprei. Sempre quis uma bota e era a oportunidade perfeita: meu número, confortável e preta. Ok, ok, de bico fino, coisa que eu não gosto muito por já calçar um número grande, mas... a bota era muito phyna!!! Comprei e não me arrependi. Já usei e recebi "n" elogios pelo look (quem sabe um dia eu poste aqui!). Outra comprinha num brechó online foi um colete jeans. Mas não daqueles curtos. Sabe aquela sua jaquetinha? Então... corte as mangas! É o meu colete, lindo, perfeito, por míseros 29 reais (e veio com a etiqueta da loja, onde custava 149). Foi ou não um excelente negócio?
E semana passada cometi mais um devaneio de compras, me prometendo ser o último...
Trabalho em frente a um mega shopping, o que é péssimo para mim, pois sempre vou almoçar lá e sempre sei o que está na liqui, quando vai estar... enfim, num dia desses na semana passada, fui almoçar e vi que uma loja que sempre tive vontade de comprar mas nunca tive muita atração pelos preços, estava numa mega liquidação. Pensei em entrar, mas ao chegar na porta, percebi que tinha uma cordinha, limitando a entrada de clientes. Entendi como um aviso e fui embora. Fui, mas não esqueci um vestidinho lindinho, xadrez de azul marinho que vi na vitrine e resolvi me dar uma chance no dia seguinte, ainda mais quando vi as compras que uma colega de trabalho havia feito por lá (no dia da cordinha!) e o preço que havia sido. No dia seguinte, fui almoçar, mas antes, passei em frente a loja e lá estava a cordinha e o meu vestido azul não estava mais na vitrine. Dei uma murchada, fui comprar meu almoço já desistindo da loja, afinal, não tinha mais o que eu queria... na volta, passei na porta, como quem não queria nada e pimba! a cordinha havia saído. Entrei né... perguntei pelo vestido xadrez, mas havia terminado. Na vitrine, havia um vestidinho de renda, balonê, bem lindinho, por uma bagatela de 39 reais, e antes custava 190. Não custava nada experimentar, uma festa estava por vir... E quando me olhei no espelho... OMG!!! Perfeito! Levei ali. Estava super satisfeita, mas algo me dizia que poderia ficar mais. Ao me encaminhar pelo caixa, uma sapatilha lindinha assobiou para mim. Eu andava há tempos procurando uma sapatilha moderninha, que não fosse toda lisa e que fosse a minha cara e lá estava ela! Experimentei, não custava nada... apaixoneeei! Por um precinho de 19 reais e antes era 89. Me dei muito bem! Saí feliz, prometi parar.
E até hoje, quinta-feira, desde sexta passada, não compro nada para mim. Pretendo continuar assim durante todo o mês de agosto. Tudo bem que ontem comprei uma casinha para a minha filha, mas NÃO FOI PARA MIM!!! e ela adorou... ficou lindinha! E só!
Agora é aguardar. Se eu deslizar aqui estarei para mais uma sessão.

Obrigada a todos do grupo por me aceitarem aqui, por deixar minhas palavras correr pela sala... me sinto muito mais aliviada... hahahahaha.
Admito: eu sou uma shopaholic.

(ficarei devendo fotos!!)

sexta-feira, 29 de julho de 2011

[Gordinha's Facts] Restart

Era pra eu ter escrito tudo isso no dia 09 de julho...
Naquela ocasião, emagreci 3,7Kg. Na semana anterior, recebi a dieta da médica. A semana passou e logo na segunda me pesei, perdi peso... Mas confesso que não foi com saúde. Peguei um rotavírus que me deixou péssima, sem vontade de nada. Nem de comer.
Acabei furando a dieta várias vezes e estou aqui de novo...

Desde que recebi a dieta, quis fazer direito. Medir as porções, ficar de olho nas gorduras, na salada, nas quantidades... mas não consegui. Não desisti, mas dei uma relaxada. Vi que era possível, mas ao invés de seguir em frente, coloquei a culpa do fracasso no lugar onde costumo almoçar. Ok, não tem mesmo saladas, peixe, opções mais saudáveis, poderia buscar por isso, mas e a comodidade? Poderia fazer meu almoço em casa, mas e o tempo?
 
Mas melhorei em algumas coisas. Reduzi meu refrigerante, os doces (acreditem!) e as frituras. Dou umas escapulidas quando meu namorado (lindo) está aqui no Rio. Ele sempre quer comer uma massa, uma pizza... E eu acabo indo com ele! Logo eu, que entrei na dieta para ajudá-lo e deveria estar ao lado dele, incentivando...


Acho que não cheguei a dizer, mas todo esse meu programa de dieta começou por causa dele. Faz um tempo que ele está acima do peso e ficava adiando a ida ao médico, até que eu mesma peguei a indicação de uma super médica com uma amiga e marquei a consulta. Me comprometi a ir com ele nas consultas e estou sempre junto. O bom disso tudo foi que ele gostou mesmo da médica, o primeiro passo para seguir adiante no programa. Logo na segunda consulta, ela passou a dieta e eu peguei uma cópia, pra fazer junto, pra incentivar. Antes de pegar a dieta, fiquei tensa. Logo pensei que estaria perdida, que seria uma dieta do tipo hard, mas fiquei bastante surpresa ao ver que era uma dieta bastante permissiva. Restrições? Claro! Mas nada de fazer passar fome, muito pelo contrário: a indicação era de que tinha de comer 6x ao dia, lembrando das principais refeições (balanceadas) e fazendo pequenos lanches (também balanceados) entre essas refeições. Nada muito complicado, mas muito mais fácil para quem não trabalha fora, ou trabalha perto de restaurantes com diversas opções de buffet. Ele fura muito mais a dieta que eu. Como ele fica longe, não tem como eu controlar, mas eu bem que tento.


Mas voltando a falar de mim... Coloquei a culpa do boicote na falta de opção de buffet. Exagerei neh? Desculpa mega esfarrapada...
De lá do dia 09 de Julho até hoje, lembro de praticamente todos os furos que eu dei. Fui no Pizza
 Hut, fui no Burguer King uma vez (mas valeu muito a pena, já que foi para reencontrar um grande amigo), fui ao Mc Donalds (mesmo comendo Mc Fish), comi bolo no meu aniversário, comi mais bolo e pizza no aniversário da avó do Mô, lanchei cachorro quente umas 3x, fui num rodízio de comida japonesa e tenho almoçado muito mal durante a semana (quando eu consigo almoçar). Ah, praticamente furtei da minha casa um saquinho de chocolate granulado crocante (e valeu super a pena). Vivo me perguntando se recuperei meus kgs perdidos. Minha calça teste diz que não, mas a minha consciência anda pesada de uma semana pra cá. Me olho no espelho às vezes e acho que melhorou alguma coisa, mas nunca sei dizer...



Não como com culpa, nunca! Como feliz, sabendo o que eu estou fazendo e depois eu penso no que fazer. Mas agora não dá mais. Estou aguardando ansiosa a liberação da minha médica para que eu possa praticar exercícios físicos e quero mesmo mudar minha rotina. Não sei como seria essa coisa de comer entre as refeições... isso não se encaixa muito comigo, afinal, não tenho como arranjar gelatina diet ou frutas frescas no meio da tarde-quase-noite no local onde trabalho. A boa é arranjar, dentro da dieta, uma alternativa.
Bola pra frente? Pode ser agora.

sábado, 25 de junho de 2011

[Gordinha's Facts] Marco Zero

Fato: estou gorda. 

Antes era onda, era uma gordurinha totalmente despropositada, um pneuzinho que não me incomodava. Antes, eram aqueles dois quilinhos a mais que toda mulher cisma que está sobrando e que se fossem embora, tudo ficaria muito melhor. Hoje, é uma constatação: estou gorda.

As calças não entram tão bem, as blusas que ficavam larguinhas apertam um pouco e a barriga fica protuberante. No fim, aquele vestidinho fantástico que arrancava elogios do povo, só deixa mais em evidência o quanto você engordou.


Eu relaxei. Engordava um quilo e logo dizia que perderia, mas sempre deixava pra depois. Minha negligência para comigo mesma, só fez mal para mim. Hoje, colho, de uma vez, todos os quilos que "deixei para mais tarde". Estou com pelo menos 15kg a mais e não quero adiar mais. Estou agarrando uma nova dieta, com novo ânimo, novas esperanças.
Esse vai ser o meu "diário de bordo". Vou contar absolutamente tudo o que se passar comigo nesse período, que não sei quanto vai durar. Pode ser um mês, podem ser 3, pode ser um ano. Fato é que eu quero perder uns 20kg.


Quem me conhece, provavelmente vai dizer que estou louca, que não sei o que estou fazendo, que posso detonar minha saúde, mas não. É justamente pela minha saúde que eu estou lutando. Chato ser a menina que está gorda, mas ninguém diz que está, porque é alta e "e o peso está distribuído como deveria ser". Pergunte isso pra minhas roupas!

Amizades

Costumo dizer que amizades são feitas nos lugares e momentos mais improváveis, nos mais impossíveis e são justamente essas que vão para frente. Ninguém diria que, onde ninguém se conhecia, onde todos estavam entre estranhos, em 1997, sairia uma amizade que ultrapassa os limites do que se entende por amigos. Quando se poderia imaginar uma amizade verdadeira oriunda de uma seleção de estágio onde todos competem pela mesma vaga? Quem está disposto a formar laços de amizade no primeiro período da faculdade, depois da primeira prova de cálculo I? Como você vai contra a corrente e vira amiga daquela menina estranha que não parece sorrir? Minhas (melhores) amizades surgem assim, de modo avassalador, de surpresa, sem avisos.

Uma amizade da qual me orgulho muito de não ter perdido – pq eu fiz por onde – foi a do Igor. Sempre fomos muito amigos, tentamos ser mais, mas somos tão parecidos, tão dinâmicos, tão práticos, que estamos juntos de outro modo até hoje. E sabe que isso tudo poderia ter acabado por ciúmes? Mas não. Poderia falar sobre o Igor páginas a fio, mas seria até desleal, visto que é nítida a forte ligação que temos, os olhares de compreensão e porque não dizer, até pensamentos sincronizados. Não preciso dizer muita coisa sobre ele, afinal, ele sabe. Te amo.

Nunca fui de ter muitas amizades femininas, mas essa me marcou de um jeito muito particular. Estávamos concorrendo para 3 vagas de estágio na Globo.com e nos tornamos concorrentes diretas, visto que chegamos até a fase final juntas. Numa das últimas fases – se não a última – teve uma entrevista coletiva e uma mega dinâmica de grupo. A dinâmica foi super tranqüila e como o destino estava a nosso favor, ela ficou no meu grupo da dinâmica. Gostei dela de cara, de graça e passei a gostar mais depois da entrevista coletiva. O resultado da dinâmica foi dado praticamente na hora, o gerente – que estava nos avaliando naquele momento – foi muito transparente ao analisar nosso caso e deu um sinal verde para nós, aquela ponta de esperança que o pessoal do outro grupo não viu muito na hora. Ali, éramos mais concorrentes do que nunca e foi o momento da entrevista coletiva. Nunca curti muito, mas não tinha como fugir. Parecia que o Armênio (da Gcom) sabia o que me dizer, parecia que ele me conhecia e me fez uma pergunta cuja resposta veio tão emocionada, que eu mesma não me entendi. No fim, era algo de família e meu falecido irmão me veio na cabeça na hora. Minha voz estremeceu, meu mundo deu uma girada, mas respondi a pergunta olhando diretamente para ele, que como num sinal de respeito ou no melhor estilo “eu sei o que você está sentindo”, acenou a cabeça uma vez para mim e ao mesmo tempo, me vem a Marianna, a única pessoa que se ligou no acontecido, que ignorou a regra de competição naquele momento, me oferecer um copo d’água e perguntar se estava tudo bem. Muito surpresa e ainda sem saber se havia mesmo respondido a pergunta que me foi feita, saí dali com duas coisas na cabeça: “passei?” e “que pessoa foda”. Uma semana depois, eu estaria me encontrando com a mesma pessoa no exame admissional e em seguida, no PROJAC, rindo horrores e falando mal de algumas pessoas. Uma pessoa fantástica que foi posta no caminho e com a qual mantenho contato até hoje. Quiseram que nos separássemos, para que os caminhos de cada uma fosse traçado, mas como somos modernas, traçamos nossos caminhos de modo que se encontrem. Foi uma amizade muito feliz, que tenho o prazer de manter. Virou minha personal make-upper (inventei agora) e acredito muito no talento dela. Uma pessoa MARA, né, Mari?

Passar do ensino fundamental para o ensino médio é algo quase tão mágico (ou aterrorizante) quanto ir para a quinta série. As coisas mudam, (algumas) pessoas amadurecem – e podem até ficar chatas - surge um mundinho novo, onde alguns acham que separar o joio do trigo é simplesmente decidir quem vai fazer vestibular quando o EM acabar e quem não vai. Era um caminho de 3 anos a percorrer, mas tinha gente super paranóica com faculdade, com o crescimento, com a mudança para adulto... enquanto algumas pessoas ficavam recolhidas no seu humilde canto, sem contar da sua vida para ninguém, não querendo se meter na dos outros , só querendo terminar a porcaria do ensino médio e sair daquele mundinho esquisito e complicado. E essa pessoa era mal vista por isso! Falavam mal dela, não é, Paula? Tive o primeiro contato com a Paula indiretamente, afinal, não foi ela quem veio falar comigo... vieram falar dela para mim. Soube dela pela boca mais improvável do colégio. Sabe aquela menina toda recatada, que não fala com ninguém, não se mete em nada, nunca sabe de nada para não se comprometer? NÃO ERA ELA!!! Ela sabia muito bem o que estava fazendo, ela era do tipo que calculava todos os passos. Sabe aquela pessoa que via prazer em plantar a semente? Era ela. Não era má pessoa, mas era uma pessoa para manter o nível de alerta alto. Mas suas palavras não funcionaram comigo. Numa das aulas de educação física (um ano depois de estar estudando com a Paula), que eu nunca fazia, não me lembro se eu ou a Paula resolvemos que era hora de colocar tudo a limpo. E dessa conversa participou também uma grande amiga que tenho hoje, né, Priscila? Fazendo um parênteses, a Pri entrou no colégio no segundo ano e relutou ao falar comigo, pois me achava meio escrota. Mas ela veio me pedir uma matéria e pronto, nos falamos. Voltando ao dia da aula de educação física... matamos aula e fomos conversar (muito mais interessante do que ficar correndo atrás de uma bola). Foram horas de risos e muito papo, onde colocamos as diferenças, as pessoas, tudo em pratos limpos. Foi ali que tudo começou. Uma amizade que eu adoro, onde cada uma aceita a outra exatamente do jeito que é, sem desvios de caráter, com personalidade e respeito. Uma fala exatamente o que pensa da outra e é por isso que dá tanto certo. Claro que depois do colégio, cada uma seguiu seu rumo, mas o contato nunca morreu. Hoje a amizade forte está de volta. Não com todos os encontros que queríamos, mas com a proximidade necessária para que uma saiba que a outra está sempre ali, para o que der e vier.

E o que dizer do meu início de faculdade? Foi fantástico. Eu era aquela menina aplicada, que só pensava em ir bem no primeiro período. E foi um período esquisito. Estava num curso que eu não queria, mas sabe quando as pessoas valem a pena? Pois é. Valiam. E as máscaras caíram depois da primeira prova. Alguns grupos se desfizeram, afinal, pessoas do mesmo grupo não tinham ido bem na prova. Uns colocavam a culpa de suas notas no outro e os grupos ficaram classificados em quem tinha ido bem e quem tinha ido mal. Eu fiquei de fora de tudo. Não fui muito bem, mas não fui totalmente mal e tinha pessoas na mesma situação que a minha, que estava na média, mas que não queria se juntar a grupo algum. E foi assim que eu conheci o meu melhor amigo na faculdade – e que se estende até hoje. Estávamos na mesma situação: aquele não era o nosso curso, aquela não era a nossa praia, mas estávamos surfando naquela onda. A primeira prova de cálculo nos uniu. Queríamos ir bem e nos ajudar e foi o que fizemos. Começamos no trabalho de grupo e fomos muito bem e a parceria não parou. Estudávamos sempre, muitos exercícios, muitas risadas e ali percebemos o quanto foi precioso entrar no curso errado. Dizem que alguém escreve certo por linhas tortas e provamos isso. Acabamos por sair daquele curso e cada um seguiu o seu caminho, mas jamais nos separamos. Todas as matérias que tínhamos em comum, fizemos juntos. Até as que não nos era comum, dávamos um jeito de um assistir no curso do outro, só pelo simples prazer da companhia. Marcávamos lugares entre nossos blocos de estudos para nos encontrarmos e colocar as matérias e as fofocas em dia. Confesso que quando o José Roberto foi morar em SP, meus dias na UFRJ ficaram menos alegres. Ele me passava uma excelente vibe só de estar por perto, só de saber que existia a possibilidade de encontrar com ele no ponto de encontro das quentinhas da Eliane. Mas eu apoiei de cara sua decisão de se mudar do RJ por melhores oportunidades e fiquei mega feliz em saber que ele se deu bem, do jeito que ele queria. E estamos mais próximos do que nunca! A distância só nos uniu! E estamos sempre juntos, nos dando força, desabafando, rindo como nunca. Estamos juntos, não importa onde.

Minhas amizades são assim. Aparecem em lugares inusitados, do tipo oportunas, fantásticas. Onde menos se espera, surge um papo e a mágica acontece. E permanece. Não mudaria nada. Seria a escrota do colégio, a rival na entrevista de estágio, a isolada da turma de cálculo novamente, do mesmo jeito, para ter exatamente o que eu tenho hoje: amigos extraordinários.



segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Unhas da Discórdia

Aconteceu um fato engraçado aqui em casa no sábado e que se estendeu até hoje (e que eu preciso colocar aqui como uma forma de desabafo, já que com quem quero gritar e destilar todas as palavras mais ardidas eu não posso).
Comprei um vestido (lindo, preto, TQC, fantástico) para ficar de sobreaviso no meu armário, pois nunca se sabe quando vai surgir um evento - que acabou surgindo - e se tem de estar linda. Pois bem, deixei meu vestido dentro do saquinho da loja em cima de um sofá que fica no meu quarto. Ninguém mexe, então, não me preocupei. No dito sábado, cheguei em casa e vi que haviam mexido em absolutamente todas as minhas coisas no quarto. As pessoas aqui de casa acham que arrumar é simplesmente um ato superficial, isto é, tem de parecer arrumado e para isso, pegaram as coisas que estavam em cima do sofá e jogaram - literalmente - dentro do armário, inclusive meu saquinho com o vestido novo. Imaginem a minha cara quando abri meu armário e vi aquele caos?!? Fiquei arrasada, mas tudo bem, comecei a pegar as coisas para arrumar, separar roupas da semana para lavar (já que haviam juntado tudo...) e foi aí que aconteceu.
Quando fui pegar o saquinho do vestido, ele estava estranhamente aberto, sabe quando o saco de batatas está aberto no chão da feira para que as batatas fiquem expostas? Pois é, o saquinho do meu vestido estava assim, mas com um PLUS: um punhado de unhas cortadas, aparentemente de Pé, estavam em cima do meu vestido, dentro do saquinho. Fiquei completamente enojada e ao mesmo tempo com ódio. Como assim... UNHAS?!?!?!?!?!?
Saí pela casa indignada e a primeira a saber de minha surpresa com mais detalhes foi a Jô. Como ela estava ali, diante de mim e com a mesma cara de nojo, perguntei se havia sido ela (sabia que não, afinal, ela mal tem unha nos pés e nas mãos para cortar daquele jeito que havia encontrado) e é óbvio que não havia sido. Meu coração sabia, minha cabeça sabia. Obviamente perguntei a minha madrinha, que não sei por que, mas de uns meses para cá, vem dando uma de sabotadora. Juro: ao primeiro momento, não desconfiei dela, mas aí...
Po, ela disse que não foi, que aquilo era maluquice (concordo!!!) e eu resolvi perguntar para a outra moça que trabalha aqui em casa. Era dia de folga dela, mas não me intimidei em ligar para perguntar. Ela ficou indignada e tudo o mais, mas disse que não foi ela. Acreditei, afinal, por mais que ela corte as unhas dos pés na minha casa, ela sempre corta no chão da área de serviço, onde tem mais luz. E o papo foi morrendo, porque não foi ninguém.. ninguém sabia de nada, ninguém viu nada... e eu deixei para lá, a tempo de ouvir minha madrinha dizer que o Bombeiro Hidráulico da Fabrimar havia estado no meu banheiro... já perceberam onde eu quero chegar né? Lembra que eu disse que não desconfiei dela no primeiro momento? Mas como não desconfiar de uma pessoa que acaba insinuando que pode ter sido o Bombeiro? Que o cara tirou as botas, as meias e se sentou confortavelmente no meu sofá, sabendo do meu vestido novo no saquinho, corta as unhas e coloca lá pra eu ficar "putinha"??? POR-RA!!!
Aí eu comecei a achar tudo muito estranho, mas o papo morreu. Peguei meu vestido, lavei e esqueci da história. Até onde foi possível.
Hoje, a moça que estava de folga teria de trabalhar na minha casa e ela não foi. Não perguntei o motivo e meu dia seguiu tranquilo, até agora à noite. Minha madrinha vem me dizer que a moça não veio trabalhar por minha causa. WTF???? Como assim? Tive que perguntar o que eu fiz para que ela não viesse trabalhar. Alegou que estava muito sentida, abalada emocionalmente por eu pensar que pudesse ter sido ela no caso do "Mistério das Unhas". Ui! Magoei litros! Não! Achei o fim do mundo dar uma desculpa babaca para não vir trabalhar. Era melhor ter inventado uma dor de barriga foda.
No fim das contas, falei um pouco do que eu queria para a minha madrinha, nenhuma mentira. Que perguntei a todos da casa, inclusive ao meu padrinho. Não acusei ninguém. Perguntei para tentar chegar na pessoa, não cheguei e parei. Minha madrinha esqueceu que foi ela mesma quem sugeriu, além do Bombeiro da Fabrimar que a própria moça poderia tê-lo feito (essa parte eu deixei quieta). E ela acabou colocando culpa na moça da loja, sendo que eu tirei o vestido mil vezes do saquinho para mostrar para as amigas, para os amigos e para a mamãe (e não tinha unha nenhuma); e acabou chamando a Jô - aquela fofa, que eu mega adoro - de MACUMBEIRA!!! Fiquei puta pra caralho. E o "macumbeira" saiu como se ela tivesse dito a maior verdade do mundo.
Fiquei bem chateada mesmo. Se ela fosse macumbeira, ela também não teria absolutamente nada a ver com isso e para mim, a religião não reflete o caráter de uma pessoa, vide a sabotadora, que é católica e acha que está acima de muita gente pois frequenta a igreja, às vezes, aos domingos. Além disso, achei que a moça que faltou hoje merecia o oscar... hahahahahahahaha. Quando ela vier na quarta-feira, vou ter uma conversa com ela, olhando pra ela e vai ser aquilo: se tudo acabar bem, bacana; se não, bacana!
Caguei #mil.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Adendos - Saldo 2010

Te falar... acabei de postar sobre meu ano passado e resolvi ler meu post sobre 2009. Realmente: citei o fato de que não havia brigado no namoro até aquela data, o que me faz concluir que quando rolar uma briga nesse namoro, vai ter um post especialmente para ela.
Outra coisa que percebi - e não tem nada a ver com o post de 2009 - é que falei muito de chuvas num momento em que estamos passando um sufoco danado aqui no RJ por culpa delas. Foi totalmente sem querer. Meu humor é ácido, mas não sou capaz de fazer trocadilhos com tragédias. Não faz meu estilo. Se bem que, quem lê me blog me conhece, logo... vai entender perfeitamente isso.


Beijos

Saldo 2010

Ainda estamos em Janeiro e me sinto bem para fazer um balanço do meu ano que passou. Sabe que ainda estou desejando "Feliz Ano Novo" para algumas pessoas? Mas credito tudo a Janeiro. O mês ainda não passou, ainda vejo decorações de natal por aí e conheço pessoas que ainda não se falaram em 2011. Mas não vim para falar de um ano que mal começou. Vim para falar de um ano que passou levantando poeira, me sujando por completo, me obrigando a me sacudir. Alias, sacudir é uma das palavras interessantes para descrever o ano de 2010. Não só para mim, mas para muitas pessoas que me cercam.

Não posso reclamar completamente de 2010. Terminei 2009 com uma proposta de estágio, uma que estava precisando e lutando muito para conseguir. Na virada de um ano para o outro, até mudei meu estilo: coloquei branco, esmalte rosa... tudo para atrair boas vibrações para 2010 (sabe que repeti o ritual para receber 2011???) e deu certo. A mandinga funcionou e comecei no estágio técnico em Janeiro de 2010. Não foi do jeito que eu queria, não aprendi as coisas que devia, mas toda e qualquer experiência é valida quando se quer crescer como pessoa - e eu sempre quero. Fiz amizades otimas, levei rasteiras de outras e mesmo assim, fui feliz no estágio. Durou praticamente o ano todo, já que fui chamada para um trabalho de verdade numa empresa de verdade com trabalho de verdade. Aceitei sem piscar. Parei de reclamar da vida profissional e segui em frente. Estou feliz, na minha área, com novas pessoas e novas análises a fazer.
Ainda tive uma experiência fantástica de algumas amizades verdadeiras e de aprendizados para sempre. Trabalhei no Par Perfeito e vi de tudo. Aprendi com a história da vida de outras pessoas, um local fantástico para descontruir preconceitos, mitos e mentiras. Um local onde todos são muito francos, onde as pessoas prezam a sinceridade e a cumplicidade. Fora o trabalho, que foi divertidíssimo, fiz amizades que se conectaram a mim de forma tão rápida, que não sei explicar. Na verdade, juntas, já tentamos explicar e não conseguimos. É o tipo de ligação que não se explica, se vive, se aproveita e pronto. Sou muito grata por isso.

Foi um ano de concursos. Estava mesma decidida a mudar de vida e me inscrevi em quase todos em que teria alguma chance. Confesso: estudei mais para uns do que para outros, mas valeu como experiência, para saber o que preciso reforçar... e sei que estudando forte, pode dar certo. Em dois concursos não passei por pouco e onde eu achei que fosse sucumbir, cresci, pois reconheci em mim uma vontade nova de querer passar, de me dedicar a aquilo. Não podia reclamar dos resultados, pois para alguns não estudei do jeito que deveria e para outros não estudei como queria, mas irei. Tirei lições, como tudo em que faço na vida. Para esse ano, tenho objetivos em concursos e já comecei a traçar meu caminho.

Minhas amizades se mostraram fantásticas, daquelas que você pode fechar os olhos e se entregar. Sim, sim... o Igor está nesse meio. É aquele que sempre me apóia em minhas questões e opina em tudo. Amo. É uma pessoa que não diz necessariamente o que eu quero ouvir, mas diz o que ele pensa, o que sente, o que acha, e isso para mim tem um valor que não consigo mensurar. Não é o tipo de amigo que se tem para ouvir palavrinahs bonitas, para ser sempre confortada (pq vamos combinar: a vida nao é toda conforto!!!), mas é o amigo ideal para quem quer ouvir sempre a verdade, doa ou não.
Outras amizades morreram (como não poderia deixar de ser, normalmente, ao longo do ano, percebemos o que não nos serve e passamos para frente). Sabe que não liguei? Fiquei muito melhor sem elas e confesso: poderia tê-las dispensado antes. Algumas ainda me perseguem, mas eu finjo que não vejo.

Minha vida amorosa esteve fantástica (e continua!), não tenho mesmo do que reclamar. Meu namoro continua a todo vapor, mesmo depois de ter descoberto que existe uma (nooooossa... uma pessoa!) alma invejosa que torce contra. Esse tipo de coisa não nos afeta, afinal, nós é que temos de nos gostar e não somos o tipo de casal que faz pose para quem está do lado de fora, já que ninguém de fora paga as nossas contas ou discute o nosso relacionamento como nós. Não somos atores. Somos verdadeiros e acredito ser por isso que nos damos tão bem. Não pensamos no que as pessoas vão dizer/pensar de nós, porque isso não importa. O que importa é o cada um enxerga no outro.
Não tivemos nenhuma briguinha sequer (não brigamos até hoje, desde o início do namoro!) e estou achando isso sensacional! Tenho um gênio terrível e nunca brigamos! Sou super chata e ele nunca ficou de mal humor comigo quando eu fui chata - pq reconheço que sou chata quando eu quero ser. Aos olhos de algumas pessoas formamos um casal super improvável, mas que no fim das contas, um casal perfeito. A compreensão entre nós existe, nossa relação é baseada num diálogo franco, aberto e sempre somos sinceros um com outro, até quando achamos que pode magoar. Sim, estou apaixonadíssima por ele e confesso: no inicio tive dúvidas, já que várias pessoas me perseguiam, querendo casinhos, rolos, nada compromissado, mas hoje, não penso nessas possibilidades.
Nos amamos, sem dúvida. Temos planos ambiciosos e um deles, quem sabe, pode se realizar esse ano. Não sabemos onde vamos parar, mas por enquanto, sabemos que não queremos parar.

Tive um momento tenso em 2010: meu pai teve um AVC e fiquei super mal, pensando mil coisas e no fim, achei uma médica fantástica que me acalmou, me fez entender a situação e viver com ela. Meu pai está ótimo, vive normalmente e eu, de longe, tento o mesmo.

No fim, o ano de 2010 não foi mal. Realizei a maioria das coisas que queria, com alguns contratempos, mas o que seria da vida sem os contratempos, sem aquela ventania que levanta um tipo de poeira que não sai quando se sacode a roupa? Do que seria a vida sem aquela chuva inesperada que te molha dos pés a cabeça e no fim das contas, onde você deveria estar furioso você dá um largo sorriso e cantarola uma música? Meu ano foi assim: cheio de coisas que normalmente, fariam desistir, mas que foram encaradas como apenas mais um obstáculo a ser ultrapassado. Nunca estive sozinha e esse foi meu grande incentivo do ano. Meus amigos enfrentaram ventanias e chuvas comigo; nos molhamos juntos, cantamos juntos, sacudimos nossas roupas juntos e estamos aqui: bem, prontos para mais um ano, prontos para mais chuvas, ventos, sorrisos e choros. Estamos prontos para viver, para experimentar, para sentir, para saber. Por que queremos sempre mais.