sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Por você

Lendo o penúltimo post, vi que eu estava super animada pra começar tudo, mas infelizmente meu pai ficou bastante doente logo depois... e aí começou a correria de hospital, rotina descontrolada, má alimentação, pouco sono... e tudo desandou... e vou voltar sim ao que eu queria, a realizar minhas tarefas. Meu pai sempre curtiu o fato de eu acordar cedo e do nada, ir me encontrar com um bando de gente (desconhecida) suada pra correr, se cansar e depois voltar pra casa com uma medalha. Com ele doente, perdi uns 03 eventos de corrida. Não contei pra ele, já que ficaria se sentindo culpado por eu não ter ido. E eu sei que ficaria, já que escondia quando passava mal, não me contava nada, só pra não me preocupar. Esse cara... É certo: será por ele.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

[Gordinha's Facts] Re-Restart

Sim, faz tempo e sim, será um restart do restart...

Passei por um turbilhão de coisas nesse fim de ano, incluindo o falecimento do meu pai no final de outubro. Foi super tenso, e de acordo com alguns amigos, não existe recuperação ou palavras de conforto para isso. Estou vivendo, seguindo em frente. E a rotina antes do meu pai me deixar me fez voltar a velhos hábitos.
Eu não bebo café, mas a correria dos dias me fez querer uma forma de cafeína além de matte e eu caí matando na coca-cola... além da habitual comida e belisquetes completamente fora do horário. O resultado disso tudo é uma alimentação horrenda (mesmo) e certamente alguns quilos a mais na balança. Não tive coragem de me pesar ainda... mas me sinto mais gorda, inchada e nenhuma roupa fica boa em mim. Pode até ficar, mas não me sinto bem... acabo usando umas roupas toscas.

Já estou na luta pra reduzir e eliminar de vez o refrigerante... o arroz já virou integral e as frituras estão  abolidas por completo na minha casa (na rua já não comia mesmo). A rotina de exercícios está voltando aos poucos a normalidade e o foco está de volta. Tudo num rítmo mais ameno, mas relax mesmo, mais calmo. Não dá pra sair atropelando e tentar fazer tudo ao mesmo tempo.

E mesmo comigo ainda meio “lenta”, fui numa nova endocrinologista, indicada por uma amiga. Ela está se dando super bem com a médica e resolvi arriscar. As vezes você precisa arriscar pra tentar encontrar a pessoa certa, o médico que finalmente vai te colocar no caminho, mas não foi dessa vez. A consulta foi bastante rápida, não achei legal, e ela mal olhou pra mim. Contei pra ela dos meus encontros e desencontros com outras médicas, mas ela não me deu uma sub-orientação nem nada. Me pediu um monte de exames de sangue, o que até achei bem correto, e me passou uma dieta. E foi aí que eu “joguei a mesinha pro alto”. Poxa... endocrinologista não passa dieta e sim, nutricionistas e dos bons! Joguei a dieta literalmente no lixo. Não pelo fato de uma endocrinologista ter me passado, afinal, já conheci endocrinos que passaram dietas completas e que faziam todo o sentido, mas não combinavam comigo. Essa, em especial, passou uma dieta de maromba, com whey protein substituindo refeições e tudo o mais. Baseado no que? 10 minutos de conversa? Não, não, não. Tratei logo de procurar outra e das excelentes.

E dezembro é um mês gordo né... e eu resolvi me desafiar em dobro (ou triplo?) retornando a rotina justamente no mês onde tem umas 6826 festas de fim de ano pra ir, amigo oculto, barzinho, lanche com as amigas... Mas não posso perder o foco! As vezes deslizo mesmo... naquele almoço com a mãe ou naquele passeio no shopping com a sobrinha (onde, após séculos, tomei uma casquinha de uma famosa rede de fast food e saí da minha semi-dieta).

Já estou vendo trabalhando nos horários pra casar minhas atividades físicas com o horário de trabalho... algumas com maior intensidade, outras menores. Nesse momento dá vontade de fazer umas 27172984178 atividades diferentes, como se o tempo (e o trabalho) não fosse um limitador... estou vendo as melhores coisas. Tudo vai se encaixar e no fim, vai dar tudo certo.